quarta-feira, 21 de março de 2012

Poesias

Postado por Mayara às 06:23
Reações: 

Criação

Na tristeza ou na alegria,
Talvez por nostalgia,
Viajo em busca da poesia.

Sinto a beleza da criação,
Que invade minha alma,
Procurando a inspiração.

Sorriso sem sentido,
Tentativa de controle,
Ordem no caos sem razão.

Enfim,
Veias abertas da emoção,
Transpiro palavras de amor,
Carregadas de paixão.


Liberdade

Você foi a mais bela,
A mais forte,
A mais poderosa poesia de amor.

Diante da felicidade,
Prisioneiro da paixão,
Tornei-me anjo ao seu dispor.

Iludida pela tentação,
Você ignorou minha dor,
Arrancando de mim,
Versos do mais puro amor.

Liberto, posso agora voar,
Pois não mais reluz em meu peito,
Aquela flecha que me cravou ao luar.

Estou livre para sonhar,
Graças a um anjo de além mar,
Que veio me libertar.


Tempestade de Emoções

Se você deixar ...
Serei capaz de cantar com a força de um vulcão.
Meu canto irá aos locais mais remotos deste mundo,
Alcançando até mesmo seu coração.

Neste momento ...
Você ouvirá a mais bela música,
E nos céus, bailando entre nuvens,
Nossas áureas se encontrarão.

Seus olhos irão brilhar como os meus ...
E relâmpagos serão vistos.
Seu coração baterá como o meu ...
E trovoadas serão ouvidas.
Lágrimas de nossos olhos escorrerão ...
E chuvas serão sentidas.

Nesta tempestade de emoções ...
Você finalmente descobrirá a verdade,
Que o amor há de lhe mostrar.


Indomável

Sim, sou difícil de compreender,
Tão generoso e tão cruel,
Tão pacífico e tão guerreiro.

Não pense que não sofro,
Por vezes, na busca da paz,
Preciso agir como tolo.

Mesmo sem desejar,
Serei seu carrasco,
Quando dele você precisar,
E serei seu anjo,
Para você se encontrar.

O poema que parece enrolado,
Com palavras desencontradas,
Assim como eu, terá um fim inesperado.

Procurei princesas pelo jardim,
Mas somente Rainhas vieram até mim,
Foi assim na primeira vez,
E será assim até o fim.


Brilho

Ainda que o amor ao meu coração possa voltar,
Ainda que à terra o céu possa tocar,
Nada a sua imagem irá apagar.

Nos devaneios da solidão,
Seu brilho ecoa em minha alma,
E insiste em me queimar.

A ira deforma uma realidade,
Que nada consegue espantar,
Iluminando ainda mais seu brilho,
Que insiste em me queimar.

Sei que a razão a tudo alcança,
Alimentando a experança,
De um dia seu brilho apagar.


Olhar

Com olhar penetrante,
Num infinito instante,
Invadi seus mistérios,
Transformei-te em amante.

Naquele olhar devastador,
Impulsionado por um sentimento superior,
Fiz com você o que bem quis,
Sem o menor pudor.

Você foi minha vítima.
Possui-te como se me amasse.
Beijei seus lábios,
Sem que você notasse.

Naquele olhar em que o tempo parou,
Apaguei o mundo e desnudei nosso amor.
E só quando um toque me acordou,
Percebi que nosso momento acabou.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Otome Nerd Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos